Grau Académico
Licenciado (pós-Bolonha)
Objetivos
As florestas constituem ecossistemas de elevado significado ambiental, social e económico no contexto global, contribuindo decisivamente para o desenvolvimento sustentável e para o bem-estar social. Face aos desafios e metas globais dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Agenda 2030) das Nações Unidas, as florestas representam um importante recurso para uma economia verde, circular e neutra/positiva em carbono, assente na valorização dos serviços ambientais dos ecossistemas e das soluções de gestão inspiradas na Natureza (Nature-based solutions).
Em Portugal, as diversas economias ligadas à floresta representam 3% do PIB nacional e 12% do PIB industrial, e representam 10% das exportações totais nacionais, valores só ultrapassados na EU, pela Finlândia e Suécia. No entanto, a floresta em Portugal enfrenta importantes desafios, como as alterações climáticas e os eventos extremos, a expansão de pragas e doenças, ou a certificação e outras alterações nos mercados internacionais, fenómenos cuja gestão exige abordagens inovadoras assim como profissionais altamente capacitados.
Pretende-se que este curso combine o conhecimento do setor florestal com tecnologias na fronteira do desenvolvimento tecnológico aplicado a espécies e ecossistemas florestais (e.g., Ómicas, Biotecnologias, Deteção Remota, Inteligência Artificial). Assim, com esta licenciatura, a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e a Universidade do Porto pretendem:
1 - Formar licenciados capazes de atuar como agentes de modernização e competitividade do setor florestal, em Portugal mas também noutros países, quer desempenhando funções profissionais quer prosseguindo a sua formação superior em temas e domínios de atuação relacionados com a floresta, os recursos naturais e a biotecnologia.
2 - Formar licenciados com espírito crítico, proactivos e dinâmicos, que sejam absorvidos pelo mercado de trabalho ou preferencialmente prossigam os estudos complementares de 2º (e 3º) ciclo, consolidando competências cientifico-tecnológicas e de inovação que lhes permitam:
• Idealizar e implementar projetos e atividades no âmbito da biotecnologia e da engenharia florestal aplicadas à produção, transformação e comercialização de produtos florestais;
• Aplicar ferramentas tecnológicas e biotecnológicas para incrementar as produções, aumentar a sua resistência a agentes patogénicos e torná-las mais adequadas ao uso final;
• Aplicar abordagens e métodos inovadores na resolução de problemas, visando a criação de novos processos amigos do ambiente, nomeadamente na deteção de pragas, doenças ou incêndios florestais, alterações dos usos do solo, controlo e automação de processos, atualização de inventários florestais, entre outras;
• Desenvolver estudos multidisciplinares sobre a avaliação das externalidades da floresta (carbono, água, biodiversidade, paisagem, etc.), que permitam criar oportunidades de negócio;
• Formular e implementar ações de proteção e/ou restauração/reabilitação de ecossistemas terrestres, aquáticos e ribeirinhos degradados, entre outros.
3 - Mobilizar e combinar a excelência da investigação e inovação nacional, o dinamismo do tecido empresarial e as novas abordagens e ferramentas pedagógicas inovadoras (mobilidade, b-learning) na atração e capacitação de uma nova geração de profissionais e investigadores, com elevado perfil cientifico-tecnológico, capaz de mobilizar conhecimento e recursos em torno do setor florestal e de alavancar a sua competitividade no quadro dos novos compromissos de sustentabilidade Europeus e Globais.
Área CNAEF
Silvicultura e Caça
(623) Portaria n.º 256/2005
Duração
6 semestres
Outras Informações
Esta licenciatura é ofertada em conjunto com a Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Os alunos que ingressem nesta licenciatura, no 1º ano, terão aulas no campus de Campo Alegre, na FCUP, na cidade do Porto; e terão aulas no Campus da UTAD, em Vila Real, apenas no 2º ano da licenciatura.
Saídas Profissionais
Um licenciado em Engenharia e Biotecnologia Florestal pode desempenhar funções ligadas a atividades técnicas, de investigação e de consultoria, tanto em entidades públicas como privadas, sob diversas vertentes profissionais que envolvam:
• Planear, gerir e implementar atividades nos domínios da Biotecnologia Florestal e da Engenharia Florestal;
• Estimular políticas de planeamento e ordenamento da paisagem e do território;
• Promover a utilização eficiente dos recursos e apoiar a transição para uma economia de baixo teor de carbono e resistente às alterações climáticas;
• Minimizar riscos associados a incêndios e agentes bióticos nocivos;
• Desenvolver estudos de externalidades da floresta (carbono, água, biodiversidade, paisagem) e criar oportunidades de negócio;
• Formular estratégias de proteção/restauração/reabilitação de ecossistemas degradados;
• Compreender e aplicar ferramentas biotecnológicas para incrementar as produções, aumentar a sua resistência a agentes patogénicos e torná-las mais adequadas ao uso final;
• Desenvolver competências de planificação, produção, transformação e comercialização de produtos florestais.
Perfil do Diplomado
A licenciatura em Engenharia e Biotecnologia Florestal evidencia a importância da inovação nos conhecimentos e competências a transmitir, com valorização de novos temas que respondem a alguns dos principais desafios atuais, como o crescente impacto dos incêndios, a floresta na conservação da natureza e da biodiversidade, ou a gestão florestal para a mitigação da (e adaptação à) mudança climática. Além disso, reforçam-se as ferramentas (bio)tecnológicas para estudo, melhoramento e/ou valorização dos recursos e dos territórios florestais. Globalmente, esta licenciatura tem assim um forte carácter de inovação, sem equivalente nesta e outras áreas de formação.
Entidades onde Exercer
• Associações de Produtores e/ou Proprietários Florestais;
• Empresas de Gestão e Planeamento de Recursos Naturais;
• Gabinetes de projeto e de consultoria;
• Indústria biotecnológica;
• Indústrias Florestais;
• Instituições de Ensino Superior;
• Instituições de investigação científica e desenvolvimento tecnológico;
• Parque e Reservas Naturais;
• Serviços Centrais e Regionais de Administração Pública e Câmaras Municipais.
Mais Informações
Código DGES
L237 (ver mais informações)
Vagas
26
Condições de Acesso
Preferência Regional:
(não aplicável)

Pré-requisitos:
não exigidos
Provas de Ingresso
Um dos seguintes conjuntos:
(02 Biologia e Geologia; 19 Matemática A) ou
(07 Física e Química; 19 Matemática A)
Nota Mínima
Provas de ingresso: 95 (escala de 0-200)
Nota de candidatura: 95 (escala de 0-200)
Nota do Último Aluno Colocado na 1ª Fase
2021: 140,9
Cálculo da Nota de Acesso
Média do Secundário: 65%
Provas de Ingresso: 35%
Data da Decisão
02-07-2021
Deliberação da A3ES
Data do Registo
16-07-2021
Validade
02-07-2027